Como acabar com as caspas

Ainda não tem tratamento, mas pode ser controlada: aprenda como combater a caspa.

Variedade mais comum da dermatite seborreica, a caspa é a descamação excessiva do couro cabeludo. Com isto, surgem pequenos fragmentos de pele, que ficam depositados entre os fios de cabelo. Na caspa, não surge qualquer sinal de inflamação: ela não provoca dor nem desconforto físico, mas pode causar coceira e irritação. O principal problema, no entanto, é estético: o prurido prejudica o penteado e o excesso de escamas confere aparência de desleixo.

Publicidade

Quem sofre com caspa também evita usar roupas escuras, para não ficar com os ombros “empoeirados”. E, apesar do que dizem os muitos anúncios de cosméticos, ainda não existe uma solução definitiva, mas é possível combater a caspa e seus efeitos, que afetam homens e mulheres em iguais proporções, na maior parte adultos jovens.

A caspa é uma doença dermatológica, que pode ser leve, média ou grave. Está associada a causas genéticas e a alterações hormonais que determinam alterações na oleosidade da pele e estudos indicam que a proliferação do fungo Malassezia furfur (que habita normalmente na epiderme humana) contribua para piorar a situação. A caspa não é transmissível, mesmo com o compartilhamento de pentes e escovas.

O problema se torna mais grave, em função dos banhos mais quentes e demorados. A água quente retira a oleosidade dos fios e obriga as glândulas a trabalharem para repor a substância, o que aumenta a descamação. Estresse, exposição ao ar frio e seco, alimentação rica em gorduras e carboidratos refinados (pães brancos, farinha de trigo e arroz beneficiados) e má higiene dos cabelos também agravam o quadro.

Publicidade

Tinturas e alisamentos, especialmente quando o couro cabeludo está irritado, também são fatores causadores da caspa. No entanto, a lavagem diária dos fios não interfere no processo: ao contrário, é benéfica, principalmente quando os cabelos são muito oleosos ou há sinais de inflamação.

O mal não tem cura. Pode acompanhar a pessoa por toda a vida, intercalando períodos de maior e menor intensidade, mas em geral cessa a partir dos 40 anos. Porém, é possível controlar a descamação e a coceira com o uso de xampus que tenham sulfeto de selênio, ciclopirox, cetaconazol ou olamina em sua formulação. Basta conferir o rótulo do produto: de acordo com a legislação brasileira, não é permitido citar uma substância na composição quando a quantidade é insuficiente para atingir os efeitos desejados.

O ideal é usar o anticaspa alternado com o xampu indicado para o tipo de cabelo. Lave a cabeça com água fria ou morna, para evitar o ressecamento, não fique muito tempo com os fios úmidos e, sempre que possível, afaste-se das situações estressantes.

Um mito bastante propagado é que os xampus anticaspa ressecam o cabelo: a quantidade aplicada é a responsável por isto. Para cabelos curtos, aplique o equivalente a uma moeda de R$ 0,50 e, para os mais longos, de R$ 1,00. Não se preocupe se a espuma parecer insuficiente. Não é ela que limpa e trata os fios, mas o princípio ativo.

Receitas caseiras para combater a caspa

Antes de lavar os cabelos, aplique uma solução de vinagre de maçã (uma colher de vinagre para duas de água) em todo o couro cabeludo, mas não encharque os fios. Deixe agir por dez minutos e em seguida lave normalmente, com seu xampu e condicionador preferidos. A diferença pode ser sentida com apenas uma aplicação.

O sumo de limão também dá bons resultados. Esfregue o sumo, deixe agir por alguns minutos e lave em seguida. Tome cuidado para não se expor ao Sol, porque o ácido cítrico contido na fruta provoca manchas na pele. A raspa da casca, misturada a óleo de amêndoas, também combate a caspa. Se o caso for muito grave, antes de aplicar o limão, esprema alguns dentes de alho e espalhe pela cabeça.

Aproveite a água do cozimento das beterrabas. Para cada litro, adicione uma colher (chá) de sal e lave o couro cabeludo com ela. Deixe agir por alguns minutos e enxágue com água fria em abundância.

Mais uma dica vinda da cozinha. Ao cozinhar o feijão, reserve um copo do caldo, espere esfriar e aplique no couro cabeludo, friccionando em movimentos circulares e suaves. Meia hora depois, lave a cabeça e seque bem os fios.

Ácido acético (vinagre), ácido cítrico (limão), alho, beterraba e feijão possuem propriedades antifúngicas e contribuem para regular as populações de microrganismos que colonizam a pele, especialmente os que vivem junto à raiz dos cabelos.

Se os bons produtos disponíveis no mercado não forem suficientes, a solução é procurar um dermatologista, que pode receitar o uso de loções tópicas mais concentradas e mesmo o uso de medicamentos por via oral.

 

Publicidade

Comente