Como aprender inglês pela internet

Aprender inglês é útil para qualquer pessoa. E a internet pode ajudar.

Existem cursos de inglês que atendem às mais diversas necessidades, desde os indicados para crianças até os para a terceira idade. Falar inglês permite assistir a filmes americanos – a maioria dos que estão em cartaz nos cinemas brasileiros –, entender as letras das músicas de artistas e bandas, facilita bastante a comunicação em viagens internacionais e é um “plus” no momento de candidatar-se a uma colocação profissional.

Publicidade

No entanto, com a correria do dia a dia – trabalho, estudos, malhação na academia, baladas –, fica difícil encontrar tempo para deslocar-se a uma escola. Por isto, aprender inglês pela internet pode ser uma opção bastante prática para dominar escrita e conversação.

Os cursos online geralmente enfocam a conversação e, assim, não são indicados para quem pretende lecionar ou traduzir o inglês, mas os interessados podem adquirir a fluência necessária e dar continuidade aos estudos num curso livre (em escolas de idiomas), numa viagem de intercâmbio cultural, ou cursando uma faculdade de Letras.

As vantagens de estudar inglês pela internet

A primeira vantagem é a comodidade. Pode-se estudar de qualquer lugar, nas horas mais convenientes. Assim, não é preciso alterar a rotina do dia a dia para aprender inglês.

Publicidade

Outro ponto forte dos cursos online é a possibilidade de assistir quantas vezes forem necessárias às aulas, que são gravadas previamente e podem ser revistas a qualquer momento. Além das aulas, há tutorias (24 horas por dia, em algumas escolas virtuais), para o aluno para eliminar dúvidas.

Treinar o idioma na privacidade da própria casa elimina os problemas de introversão, muito comuns nas aulas em grupos, e mesmo em aulas individuais: muitas pessoas introvertidas têm o ensino prejudicado por não conseguirem se expressar.

As matrículas podem ser feitas imediatamente, sem necessidade de reserva de vagas para formação de novas turmas. Alguns cursos oferecem garantia de fluência em inglês em apenas 12 meses, e há opções de estudar com professores nativos (nascidos na Inglaterra ou EUA).

Neste caso, é preciso escolher o sotaque. O inglês americano é o mais usado no mundo, mas o inglês britânico permite identificar outros acentos, como os usados no Canadá, Austrália e alguns países africanos.

No entanto estudar pela internet exige foco e concentração. Quem se distrai facilmente provavelmente terá dificuldades no aprendizado, sem o rendimento adequado. Neste caso, é melhor procurar um curso presencial.

Como escolher o curso

Antes de se matricular, é preciso verificar o que é oferecido. Consultores pessoais, que fazem chamadas telefônicas regulares em inglês, apostilas e livros, oferta de aulas interativas, preparação para exames de proficiência (importantes para quem pretende dar aulas), são alguns diferenciais que podem melhorar a qualidade do ensino.

Cursos gratuitos

O site Livemocha oferece aulas gratuitas de inglês (e de outros 37 idiomas, inclusive esperanto e árabe). É possível também tornar-se um professor voluntário e conversar online com estudantes de 190 países.

English Experts tem dicas, exercícios, bate-papo, fóruns e podcasts. O mesmo acontece com o site da BBC Brasil. São ideais para melhorar a leitura em inglês.

O site Inglês Online é um curso básico e intermediário com aulas práticas. São vídeos bastante interessantes, que devem ser vistos mesmo por quem já fala inglês: o site explora diálogos, falsos cognatos (palavras semelhantes ao português, mas com significados diferentes – como eventually, que não significa eventualmente, mas finalmente), testes sobre o idioma e até exercícios de compreensão de textos, bastante exigidos em vestibulares e no ENEM.

O curso básico de inglês oferecido pela Webbusca oferece o básico, mas é útil para estudantes de nível médio que precisam de reforço no idioma. O mesmo ocorre com o Mr. Kind online, que também oferece o vocabulário de informática.

Quem vai viajar para o exterior precisa acessar o site Language Guide, que oferece dicas práticas para as necessidades urgentes dos turistas: cumprimentos, diálogos em recepções de hotéis, restaurantes e lojas e as palavras mais usadas no dia a dia.

Uma dica: as aulas são importantes, mas não são suficientes. Sempre que possível, pratique seu inglês. Faça amigos no exterior – use a própria internet e as redes sociais para isto –, converse via Skype (para reduzir os custos), entre em salas de bate-papo para treinar a grafia no idioma. Você vai aprender com mais facilidade e rapidez.

Também é importante navegar por sites, podcasts, blogs, assistir a vídeos e responder a quizzes em inglês. Muitos sites oferecem oportunidades para praticar o idioma.

Publicidade

Comente