Como combater o AVC feminino

Se a sua vida anda muito corrida, você pode estar correndo sérios riscos de sofrer um AVC. Leia o texto abaixo e veja como combatê-lo.

Depois que as mulheres ingressaram no mercado de trabalho, muita coisa mudou. Para o bem e para o mal. A luta pela independência financeira e as conquistas profissionais cobram seu preço. Doenças que há pouco tempo acometiam mais os homens agora também estão atingindo as mulheres. Uma delas é o AVC, mais conhecido popularmente como derrame cerebral.

Publicidade

O acidente vascular cerebral em mulheres jovens infelizmente está cada vez mais comum. E quem está acima do peso, sofre de hipertensão, colesterol alto ou diabetes têm seu risco potencializado. Não dá para passar a mão por cima. O AVC não escolhe idade para fazer vítimas. Confira a seguir os principais sintomas:

– Dor de cabeça muito forte;
– Sentir confusão mental;
– Agitação psicomotora;
– Dificuldade para articular as palavras;
– Pernas e braços mais moles, como se faltassem forças para movê-los.

Na ocorrência de qualquer um destes sinais, é importante procurar imediatamente socorro médico. Se não houver como locomover o paciente, ligue 192 e acione o SAMU.

Publicidade

Quanto mais rápido conseguir ajuda médica, maiores as chances de evitar seqüelas.

Há 2 tipos de AVC. O hemorrágico costuma ser de mais gravidade. Ocorre quando a pressão alta estoura uma das artérias da cabeça. O isquêmico é quando se forma um coágulo sanguíneo ou placa de colesterol na passagem do sangue, bloqueando sua passagem até o cérebro. No tratamento deste tipo de AVC, há uma novidade. Se o paciente chegar em até 4 horas depois do início do problema, é aplicada a injeção um de medicamento que dissolve o coágulo. Alguns casos mais graves necessitam de cirurgia. Depois de o paciente sair do hospital, são necessárias sessões de fisioterapia para diminuir as chances de seqüelas definitivas.

Porém, para que deixar isto acontecer quando a prevenção é tão simples? Leia as dicas abaixo e afaste o AVC da sua vida:

– Inclua no seu cardápio alimentos saudáveis;
– Pratique atividades físicas. Escolha uma que tenha mais a ver com seu perfil e não espere ficar doente para começar a mexer o corpo. Mas antes consulte um médico;
– Mantenha o peso e a gordura abdominal sob controle;
– Esteja atento à pressão arterial, principalmente se você já sofre deste problema. Consulte um cardiologista anualmente ou quando for necessário;
– Fique longe do fumo. Se você é fumante, procure terapias e grupos que possam ajudá-lo a se livrar deste vício mortal;
– Faça exames médicos anuais;
– Seja feliz.

Não espere o AVC dar o ar da sua graça para você começar a mudar de vida.

Publicidade

Comente