Como conciliar carreira e maternidade

Não é fácil conciliar a vida profissional com a maternidade. Confira as dicas e acabe com este dilema.

Muitas mulheres quando engravidam ou logo após o nascimento do filho vivem um dilema enorme. Devem ou não voltar ao mercado de trabalho? Cada situação é diferente e precisa ser analisada separadamente. Antes de pedir demissão e encarar somente a vida de dona de casa e mãe, há certos aspectos que devem ser levados em conta. Veja quais são eles:

Publicidade

SITUAÇÃO FINANCEIRA DA FAMÍLIA

Lembre que se você se dedicar somente aos cuidados do bebê, é seu marido que bancará todos os gastos da casa. Prestação da casa, gasolina, fraldas, supermercado. O orçamento certamente será outro. Antes de tomar a decisão, converse bastante com ele e ponham todas as despesas na ponta do lápis para ver se irá valer a pena.

INDEPENDÊNCIA FINANCEIRA

Para a mulher que sempre trabalhou fora e conquistou estabilidade financeira, de repente se ver dependendo do dinheiro do marido para comprar suas coisas pode ser meio complicado e gerar frustrações futuras. A dica é tentar fazer uma economia durante o período da gravidez para gastos pessoais, como cabeleireiro, manicure e outros mimos. Mas lembre de que este dinheirinho não irá durar para sempre e que mais cedo ou mais tarde seu marido passará a ter que bancar as coisas para você.

TAREFAS

Ficar somente em casa cuidando do bebê não significa que a vida está mansa. Pelo contrário, as atividades são muitas. Estas tarefas são árduas e tomam um tempo enorme e há quem diga que o cansaço é maior do que quando se trabalhava fora. Para tudo não ficar nas suas costas, ponha seu marido para lhe ajudar nos afazeres domésticos também!

Publicidade

Algumas mulheres gostam tanto de ficar somente cuidando dos filhos que não pensam em retornar ao mercado de trabalho. Mas para aquelas que pretendem voltar a exercer a vida profissional, a volta nem sempre é fácil. A sugestão de especialistas é que a mulher volte ao mercado quando a criança tiver aproximadamente 2 anos, pois com esta idade ela já anda e consegue se expressar. Mas, se você tiver condições de voltar antes deste tempo, melhor ainda. É importante que já durante a gravidez você comece a formar rede de contatos e sobretudo mantê-los durante o período de afastamento. São estes contatos que podem lhe ajudar na inserção ao mercado de trabalho. Fazer cursos de reciclagens vai enriquecer seu currículo, mas a ajudinha do marido nestas horas é essencial. Não se desatualize nunca ou a volta será bem mais complicada. E se o retorno estiver muito difícil, que tal ativar seu lado empreendedor e iniciar seu próprio negócio?

Há carreiras profissionais que são mais fáceis conciliar com a maternidade. Veja quais são elas:

Dentista: os horários dos agendamentos das consultas podem ser conciliados com os horários do colégio das crianças, por exemplo. E você também pode ter a facilidade de trabalhar em único turno.

Arquiteta: hoje em dia está cada vez mais comum trabalhar em casa. Profissionais desta área podem ter escritório na própria casa ou prestar serviços para empresas.

Advogada: advogadas podem trabalhar em casa ou ajustar o horário do escritório às rotinas das crianças.

Psicóloga: profissionais que possuem sua própria clínica podem agendar os horários de acordo com sua própria conveniência.

Professora universitária: as possibilidades de escolher o período em que dará as aulas e a frequência semanal são grandes aliados destas profissionais.

Nutricionista e fisioterapeutas: tem em comum a facilidade de organizar a agenda profissional de acordo com suas vidas pessoais.

Jornalista: trabalhar como free-lancer é uma excelente oportunidade de trabalhar em casa e futuramente inserir-se no mercado de trabalho.

É importante estar bem consciente ao tomar decisões como estas, pois certamente elas irão afetar seu futuro.

Publicidade

Comente