Os pés sustentam todo o peso do corpo, transpiram muito e merecem cuidados especiais.

Os pés são estruturas muito sofisticadas. São 29 ossos, divididos em três partes: o tarso (ou canela), que liga o pé aos ossos da perna (tíbia e fíbula), o metatarso e os dedos. A “planta do pé” é a face inferior, forrada por uma camada de pele mais espessa do que no restante do corpo. Os pés são fundamentais para qualquer deslocamento e precisam ser bem cuidados, para garantir o conforto e a funcionalidade.

Como cuidar dos pés

Importantes para a manutenção da qualidade de vida, geralmente os pés são negligenciados. Gasta-se muito dinheiro com xampus e condicionadores para os cabelos, cremes para o corpo, rosto, mãos e cotovelos, desodorantes, mas os pés são esquecidos. Isto pode gerar várias doenças, além de problemas estéticos.

Higiene e limpeza

Em primeiro lugar, é preciso cuidado com a higiene. Muitas pessoas se esquecem de lavar os pés durante o banho. É preciso um trato especial com o calcanhar, região que acumula muita sujeira, a planta do pé, que não tem glândulas sudoríparas e, por isto, resseca-se facilmente, e o espaço entre os dedos. O hidratante (ou creme específico para a região) deve ser aplicado em seguida, para evitar rachaduras, apenas na parte mediana (o metatarso), solo e calcanhar.

Os pés devem ser enxugados com cuidado, retirando-se totalmente a umidade sem esfregar vigorosamente. É muito importante enxugar muito bem os dedos, região muito afetada por micoses. Depois de secos, é preciso aplicar um produto antisséptico (talco ou aerossol). Calce meias e sapatos somente após os pés estarem bem enxutos.

Sempre que possível, mergulhe os pés em água morna, em que se pode diluir uma porção de sal grosso ou essências aromáticas, como menta ou citronela. Permaneça com os pés imersos por 20 ou 30 minutos. Bolinhas de gude podem ser colocadas no fundo da bacia, para massagear os pés. Isto garante um relaxamento total e ajuda a combater o estresse.

Uma vez por semana, é preciso esfoliar a sola dos pés. Use uma pedra pomes ou uma lixa específica (ambas são encontradas em drogarias e lojas de cosméticos). Lembre-se de que a pedra deve ser umedecida antes de entrar em contato com a pele. A esfoliação previne e combate rachaduras.

As unhas dos pés devem ser aparadas uma vez por semana, com cuidado para não retirar em excesso, principalmente nos cantos, o que pode gerar o encravamento. Quem tem unhas muito duras precisa umedecê-las antes de apará-las.

Calos e calosidades podem ser atenuados com o emprego da pedra pomes. Casos mais graves, no entanto, necessitam da intervenção de um podólogo, profissional que também apara as unhas e retira o excesso de cutículas.

Quem já pôs os pés no chão depois de um tratamento conhece a sensação de bem-estar que uma sessão de podologia propicia. Mas é preciso atenção para a esterilização de instrumentos, como alicates, lixas e tesouras. Verifique antecipadamente as condições de higiene, para não correr riscos.

Calçados e meias

Nunca calce os pés sem que eles estejam bem enxutos. Umidade e calor formam o ambiente perfeito para a proliferação de fungos e bactérias que colonizam nossa pele. Eles são responsáveis pelo mau cheiro, frieiras e micoses.

Na escolha das meias, dê preferência aos tecidos naturais, como algodão, seda ou linho. Tecidos sintéticos acumulam o suor. As meias devem ser trocadas diariamente. Permita que seus pés respirem livremente, sem nenhum calçado, por ao menos 30 minutos diários. Mas não ande descalço, nem mesmo dentro de casa. Use chinelos ou pantufas sempre que precisar se levantar.

Os calçados devem ser alternados. Como já foi dito, os pés transpiram muito e tanto o couro como os tecidos dos tênis precisam de ao menos 24 horas para ficar enxutos. Em caso de chuva, são necessários dois ou três dias para que toda a água evapore.

Sapatos de salto alto ou de bico fino prejudicam a circulação e são a causa de dores e desconforto nos pés. Quem fica em pé ou caminha durante muitas horas nas atividades diárias deve evitá-los. Calçados fechados devem ser usados sempre com meias: o atrito da pele com as costuras internas fatalmente causarão ferimentos.

É preciso conhecer os pés: por exemplo, os que têm a região imediatamente anterior aos dedos mais larga do que o calcanhar precisam optar por modelos arredondados, ou mesmo comprar calçados um número acima do usado, para garantir o conforto.

As micoses

Micoses são infecções provocadas por bactérias e fungos (parentes dos cogumelos), organismos que naturalmente vivem em nosso organismo e na área externa da pele.

São seres úteis para a nossa saúde, porque se alimentam do suor excretado, garantindo o equilíbrio. Quando estas colônias, porém, proliferam-se excessivamente, surgem problemas.

Fungos e bactérias vivem na camada composta por células mortas do tecido epitelial e, assim, são facilmente removidos. No entanto, muita gente se descuida, não faz a higiene adequada, anda sem sapatos em áreas úmidas (quem resiste a caminhar descalço ou tomar uma chuveirada numa praia?) e acaba contraindo micoses.

Os ambientes públicos úmidos (vestiários e lava-pés de piscinas) são excelentes locais para contrair micoses. Rachaduras e manchas na pele e nas unhas são sinais típicos de infecção. O tratamento, quase sempre simples, é feito geralmente com cremes e pomadas.

No entanto, é preciso persistência para seguir as prescrições médicas. Como, em geral, os sintomas desaparecem nos primeiros dias de medicação, muitos pacientes abandonam o tratamento e, em pouco tempo, ocorrem recidivas. É preciso cumprir todo o tratamento e retornar ao consultório para reavaliação clínica.

Receba mais sobre "Como cuidar dos pés" e outros artigos do Como Fazer Online no seu e-mail. É grátis!



Faça um Comentário