Como descobrir seu tipo de pé

Dores nos joelhos, calos, bolhas podem ter como motivo a sua pisada. Descubra qual seu tipo de pé e pare de sofrer.

Você já parou para pensar se o calçado que você está usando é o indicado para o seu tipo de pé? Mesmo sendo bastante confortável, ele pode não ser recomendado para você. Tudo isso porque existem três tipos de pés, cada um com uma pisada. Pare de sofrer com eles e descubra em qual “pisada” você se enquadra:

Publicidade

Pisada dura: supinada

Repare bem. Nesse tipo de pé a curvatura é mais alta. Se você pisar na areia, verá a marca do calcanhar e da lateral dos pés. Ou seja, quem tem esse tipo de pé não o encosta totalmente no chão. Para não haver lesões use sapatos flexíveis para amortecer os passos. O ideal é usar tênis com amortecedores confiáveis. Quem possui essa pisada pode sofrer com sobrecarga nas coxas e na parte lateral dos joelhos. Quando a tensão não é bem distribuída, há a possibilidade de aparecerem inflamações nos tecidos de revestimento da sola dos pés. Para quem não consegue ficar sem usar salto alto, cuidado. Os dedinhos podem ficar sobrecarregados também.

Pisada neutra

Considerada pelos especialistas a melhor pisada. A curvatura do pé é normal. Repare quando for pisar na areia: as marcas dos calcanhares, laterais e dedos ficarão bem marcados. Quem tem a sorte de ter essa pisada, pode usar qualquer tipo de calçado, sem restrições. Mesmo assim, não abuse da sua sorte. Sapatos de salto alto ainda assim são considerados um risco.

Pisada pronada

Pise na areia e observe: o arco do pé é plano, ficando marcado o calcanhar, meio do pé, lateral e dedos. A pisada é mais flexível. Para não ter maiores problemas para caminhar, use calçados que proporcionem estabilidade. Se for optar por saltos altos, o melhor são aqueles quadrados e largos. Os tênis também devem dar a sensação de estabilidade, mantendo os pés bem firmes. As pessoas que possuem essa pisada devem cuidar da parte interna dos joelhos e com o alinhamento dos pés, que ficam desestabilizados com um calçado instável e sem firmeza. Artrite e joanete são problemas decorrentes da pisada pronada.

Publicidade

Apesar de o calçado de salto estar liberado para alguns tipos de pisadas, mesmo assim são necessários certos cuidados. Não use continuamente. Ficar literalmente em cima do salto por horas seguidas irá trazer sérios prejuízos a médio e longo prazos, como bolhas e deformação dos dedos. Tente alternar os dias de uso. Os especialistas garantem que o ideal é o salto nº 5, no máximo seis horas por dia.

Publicidade

Comente