Como enterrar um cachorro

Os cachorros acabam se tornando membros da família, por isso, quando nosso bichinho morre logo pensamos em enterrá-lo, como fazemos com as pessoas, será que isso é possível?

Muita gente, quando perde seu cachorro de estimação, logo pensa o que fará com o corpo do animal. A vontade de muitas pessoas é enterrar o cachorro, já que o bichinho acaba se tornado um membro da família. Além do enterro, há outras opções a se fazer com o cadáver de animais. Confira abaixo cada uma delas.

Publicidade

Cemitérios de animais

Em algumas cidades do Brasil há cemitérios que são destinados aos animais, assim como há cemitérios destinados às pessoas. A melhor maneira de se informar se há um cemitério de animais na sua cidade é ligar na prefeitura.

Esse cemitério, seja público ou particular, deve funcionar seguindo as ordens e regulamentações de órgãos como o Centro de Zoonoses e a Vigilância Sanitária, para garantir que o cadáver do bicho não irá prejudicar de nenhuma forma a comunidade.

Ao levar o seu cachorro morto a um cemitério de animais, os funcionários irão tomar certas medidas dependo da causa da morte do seu bichinho. Se ele tiver morrido por causa de alguma doença infecciosa, com certeza ele será embalado com um plástico ou material que o valha, e a embalagem será bem lacrada. Isso é feito para evitar que o corpo do animal, ao se decompor, contamine o solo, além disso, evita que a doença que o matou se propague e contamine outros animais ou até mesmo os seres humanos.

Publicidade

Enterrar um animal é bem mais simples que enterrar uma pessoal, claro, assim sendo, não há velório nem nenhuma cerimônia durante o enterro.

Enterrar no quintal

Uma opção também é enterrar o cachorro no quintal de sua casa, em um terreno que você possua, ou mesmo em uma chácara ou sítio de sua família. Você também deve ficar atento e proceder embalando o cãozinho para evitar contaminações, se for necessário.

Clínica veterinária

Outra forma de dar um destino ao seu cão morto é levar o corpo para uma clinica veterinária pública ou particular. Nessas clínicas, é comum que o Controle de Zoonoses recolha os lixos, que são considerados lixo hospitalar. Esse órgão recolhe também corpos de animais e dá um destino adequado para eles, seja serem enterrados em aterros sanitários, seja serem cremados. A cremação é mais recomendada, pois nos aterros sanitários, assim como os lixos enterrados, o corpo do cão pode soltar alguma substância que contamine o solo e o lençol freático, prejudicando atividades como plantações e podendo até contaminar a água que bebemos ou usamos em casa.

Cremar

Por falar em cremação, assim como há cemitérios para animais, em algumas cidades também há crematórios exclusivos para bichos, geralmente em cidades grandes, como São Paulo. A cremação acaba sendo a melhor solução quando um animal morre, pois não deixa resíduos que poderiam contaminar outros animais, as pessoas ou o solo. Nos crematórios, geralmente, o dono do animal pode optar por levar as cinzas do bicho dentro de uma caixinha para deixar em casa ou jogar em algum lugar, como no mar ou em um rio.

Quando seu cachorro, ou qualquer outro animal que você tenha, morrer, evite jogar o corpo dele em terrenos baldios, rios, na rua, pois além de seu animalzinho merecer um destino digno, o cadáver dele pode acabar se tornando um problema, pode atrair bichos como ratos e urubus, virar entulho na rua entupindo bueiros, além do risco de contaminação que já foi citado. O melhor a se fazer é procurar por umas das alternativas acima.

Publicidade

Comente