Como evitar os riscos da automedicação

Quem nunca se medicou por conta própria? Leia o texto abaixo e veja como evitar os riscos da automedicação para sua saúde.

Quem nunca tomou um comprimido para dor de cabeça sem consultar um médico que atire a primeira pedra. Uma vez que outra até não causa problema nenhum, porém quando isso se torna um hábito, os riscos para saúde são grandes. Se a pessoa tem um problema de saúde mais sério, os medicamentos tomados sem orientação médica podem mascarar o verdadeiro mal. E o que é pior: trazer consequências muito sérias.

Publicidade

Desde 2010 os antibióticos estão proibidos, pela ANVISA, de serem vendidos sem receita médica. Esta medida foi tomada para melhor controlar a ingestão destes medicamentos. Ainda assim, muitas pessoas conseguem de alguma forma se medicarem com eles. Usando antibióticos de forma errada ou sem precisar, as bactérias podem ficar mais resistentes. O resultado? A necessidade de tomar medicamentos cada vez mais fortes e com mais efeitos colaterais. E não são apenas antibióticos que trazem riscos. Os anti-inflamatórios, se tomados indiscriminadamente ordem provocar insuficiência renal. Portanto, todo o cuidado é pouco.

Em casa, no trabalho e até mesmo na bolsa é comum termos uma mini-farmácia para aqueles casos de urgência. Afinal, ninguém quer ser pego por uma enxaqueca desprevenido. O abuso de remédios a cada desconforto pode ser o início de um problemão. Confira:

Paracetamol: parece ser a solução de todos os problemas da humanidade, mas quem tem o hábito de tomar de três a quatro comprimidos diários futuramente pode sofrer de alguma doença hepática;

Publicidade

Antigripal: quando a fórmula contém descongestionantes nasais, a pressão arterial pode se elevar;

Dipirona: se você tomar e ficar estonteada, cuidado. Esse medicamento pode baixar a pressão.

Relaxante muscular: exagerou na academia ou o estresse pegou forte? O corpo dói! Porém ingerir relaxantes musculares por conta pode dar sono. Há pessoas que não conseguem realizar suas atividades rotineiras direito por causa disso. Até dirigir e operar diversos tipos de máquinas se torna perigoso.

Mas não são apenas os remédios citados acima que trazem risco à saúde das pessoas. Também os medicamentos naturais – que parecem tão inofensivos – feitos à base de plantas merecem uma atenção especial. Veja:

– Ginkgo Biloba: é um vasodilatador. Seu uso em demasia pode provocar dores de cabeça, afinar o sangue e elevar a ação dos anticoagulantes. Neste caso, é grande a chance de ocorrerem hemorragias;

– Erva-de-são-joão: mulheres que tomam anticoncepcional devem ficar atentas, pois ele diminui a sua eficiência e descontrola o ciclo menstrual;

– Alcachofra: a planta é diurética e quando usada em combinação com outros diuréticos, a pessoa faz mais xixi. Há uma eliminação maior de potássio, mineral muito importante na prevenção de derrames e diabetes;

– Chás de boldo e carqueja: possui muito tanino, um ativo capaz de reduzir a absorção pelo organismo do ferro e zinco, entre outros minerais.
Não abuse da sua sorte. Procure sempre orientação médica e evite problemas de saúde.

Publicidade

Comente