Como fazer para tratar o refluxo gastresofágico

Refluxo Gastresofágico causa muitos incômodos, mas pode ser tratado

Quase todas as pessoas já passaram por uma situação de azia e queimação na região do estômago ao longo da vida. Todavia, há pessoas que relatam este tipo de desconforto um pouco acima do estômago, quase que no peito, após as refeições. A dor, muitas vezes é tão forte que pode levar os pacientes a procurarem um hospital por suspeitarem de problemas cardíacos e até mesmo de infarto. Depois de realizar alguns exames simples, comprova-se que o problema é, na verdade o refluxo gastresofágico, quando por algum problema que pode ser afrouxamento na musculatura da região e/ou do diafragma, hérnia de hiato, entre outros, o conteúdo estomacal retorna para o esôfago, causando dor, queimação e até mau hálito.

Publicidade

O estômago possui uma mucosa que consegue conviver harmonicamente com o ácido produzido para digerir os alimentos, mas a mucosa do esôfago não é capaz de aguentar um pH tão ácido, podendo inflamar, furar e até levar a consequências mais sérias, como o câncer. O refluxo gastresofágico é, portanto, uma doença séria e que precisa de acompanhamento médico. Ainda assim, seu tratamento é bastante simples, assim como sua prevenção. Confira:

– Emagrecer: perder peso ajuda a manter a musculatura de todo o organismo em ordem, incluindo a do esôfago, o que evita o refluxo. Estudos com mais de dez mil mulheres, realizados por uma universidade norte-americana, mostraram que emagrecer é bastante efetivo para quem precisa tratar este tipo de problema.

– Elevar a cabeceira da cama: outra menina simples e eficaz está em elevar a cabeceira da cama, colocando tijolos ou apoios sobre os pés frontais do móvel, de modo a dormir inclinado, favorecendo, por meio da gravidade, que o conteúdo estomacal não se desloque.

Publicidade

– Sem cochilos: resista à tentação de deitar após as refeições, pois com o estômago cheio, a posição horizontal facilita o retorno do conteúdo gástrico para a região do esôfago, piorando o quadro de queimação.

– Atenção com o que come: alimentos ricos em gordura e acidez são mais propensos a causar refluxo, por isso devem ser consumidos com parcimônia, quando não evitados.

– Nada de álcool: além de aumentar a acidez estomacal, as bebidas alcoólicas contêm enzimas que são de difícil digestão, permanecendo mais tempo no estômago e podendo retornar ao esôfago com mais facilidade.

– Refrigerantes: evite-os não pela carbonatação, mas sim pela acidez e pelos compostos químicos como corantes e acidulantes que podem irritar a parede do trato digestivo, levando a lesões que colaboram com o surgimento do refluxo. Água com gás está liberada.

– Tabagismo e cafeína: além de aumentar a acidez estomacal, o cigarro e o café ajudam a relaxar o diafragma, levando a problemas em seu “fechamento”, o que causa o refluxo.

– Porções: comer pequenas porções é melhor do que encher o estômago, pois quando o órgão está com muito conteúdo, fica mais fácil acontecer o retorno para o esôfago.

– Procure ajuda médica: se os sintomas persistirem, o médico deve ser consultado e a cirurgia pode ser considerada uma opção. Alerta-se apenas para o fato de que o procedimento cirúrgico pode ter como consequência a dificuldade em arrotar e/ou vomitar, sendo que o custo-benefício deve ser discutido com o médico de confiança.

Publicidade

Comente