Como livrar sua casa dos ácaros

Preserve a saúde da sua família eliminando os ácaros da sua casa.

Somente uma boa faxina não ajuda a eliminar os ácaros da sua casa. Aos bilhões, eles continuam a circular pelos ambientes sem que você se dê conta. Estes micro-organismos permanecem presentes no banheiro, na cozinha, no colchão e até nos bichinhos de pelúcia, trazendo uma variedade de doenças como alergias e intoxicações alimentares. Confira no texto a seguir como livrar sua casa dos ácaros.

Publicidade

QUARTO

– Os travesseiros precisam ser substituídos a cada 2 anos, pois neles se depositam ácaros mortos, vivos e as fezes deles. Uma boa opção é usar protetores de travesseiros, lavando-os semanalmente;

– Os bichinhos de pelúcia fazem a alegria das crianças, adultos e dos ácaros. E quem sofre é você com crises alérgicas sem saber o motivo. Para mantê-los limpos, faça a seguinte operação: em um balde com agua e sabão produza bastante espuma e passe no bichinho de pelúcia com uma esponja higienizada. Após use um pano úmido. Coloque-o na sombra para secar e depois em um saco plástico dentro de um freezer por 8 horas. Estas medidas são suficientes para eliminar os ácaros. Faça o procedimento quinzenalmente;

– Não arrume seus lençóis logo ao acordar. É comum suarmos durante a noite e a umidade favorece a proliferação dos ácaros. Se possível aguarde uma hora até estender os lençóis. Procure trocar o colchão a cada sete anos.

Publicidade

BANHEIRO

– Substitua as escovas de dente a cada três meses e as infantis a cada um. Quem teve gripes, sinusites, sapinhos ou outra doença contagiosa deve colocar imediatamente a escova de dente fora, ainda que nova. Conserve-as guardadas em copos e com as cerdas voltadas para cima, dentro de um armário;

– Estenda as toalhas ao sol e onde haja correnteza de ar. Não as dobre úmidas ou então você estará contribuindo para as bactérias se proliferarem. Resultado? Micoses e outras doenças dermatológicas;

– Opte pelos sabonetes líquidos. Os sabonetes em barra podem levar bactérias de uma pessoa para outra (com exceção dos bactericidas). Esponjas e buchas devem ser trocadas mensalmente e não as divida com ninguém.

– Quando você for dar a descarga, feche a tampa do vaso sanitário. Do contrario são liberados no ar milhares de bactérias que ficam por 2 horas pairando no ar e contaminando escovas de dente e outros objetos.

COZINHA

– As esponjas devem ser trocadas semanalmente. Não se assuste, mas elas são um verdadeiro depósito de bactérias. Você deve desinfetá-las todos os dias. Para isto basta ferver uma panela de água, retirando do fogo quando começar a fervura. Deixe-a de molho por 5 minutos, dê uma boa torcida para sair toda a água e coloque para secar em um lugar seco e arejado;

– As panelas merecem uma atenção toda especial. Lembre-se que elas foram feitas somente para cozinhar e não para servir ou deixar em refrigeração. Assim, depois do cozimento, coloque os alimentos outros compartimentos apropriados. Para fazer uma limpeza bem eficiente use água quente, bicarbonato de sódio e vinagre. Estes três itens são excelentes para tirar a sujeira mais complicada;

– Panos descartáveis são os mais indicados para secarem pratos e a pia. Os feitos de algodão devem ser substituídos diariamente e evitar deixar secando na bancada. Lembre-se que panos molhados são os preferidos das bactérias, encontrando ali um ótimo local para proliferação. E não se esqueça de usar panos diferentes para secar a pia, as mãos e os pratos. Não misture tudo!

– Use tábuas de plástico para cortar alimentos. E depois de usá-las, lave muito bem com água e sabão, enxaguando em seguida. Após ponha de molho entre 5 a 10 minutos em 1 litro de água com 2 colheres de sopa de água sanitária. Se você observar que elas estão muito riscadas, substitua-as;

– Opte por guardar seus alimentos em potes de vidro, já que eles são mais fáceis de lavar e não ficam com cheiro de comida. Os de plástico também podem ser usados, mas alguns possuem uma substância chamada bisfenol. Em contato com o organismo, pode causar doenças graves, principalmente em crianças.

Publicidade

Comente