Como um casal deve economizar para viver melhor

Apertos financeiros no final do mês acontecem na vida de qualquer casal. Confira as dicas para evitar o sufoco.

Faltar grana no fim do mês para pagar uma conta infelizmente é normal. Empurrar para o mês seguinte é mais comum ainda. Muitos casais, por conta desses problemas, passam por crises no relacionamento por um gastar além do que devia ou haver combinado. As dívidas correm o risco de aumentar e as brigas também. Que tal se ambos começarem a planejar seus gastos? Antes que as contas se tornem uma bola de neve, confira as dicas para sair do sufoco e economizar mais:

Publicidade

– Existem as contas permanentes. São as de luz, água, prestação da casa (ou o aluguel), escola dos filhos, supermercado. Para elas separem em torno de 75% da renda familiar. Se o casal comprometer todo o salário com dívidas, irá faltar para os extras como consultas médicas, pequenas viagens, compra de material escolar e outros;

– Desde o início do relacionamento é importante deixar bem claro as questões financeiras. A conta bancária será conjunta ou separada, quem irá pagar o aluguel ou a luz. Façam uma tabela com os gastos à medida que eles vão ocorrendo. Isso evita que uma conta seja esquecida e acabe aparecendo de “surpresa” lá adiante;

– Sobrando dinheiro no final do mês, há duas alternativas. Ou gastem em coisas pessoais ou invistam na poupança para uma compra maior futuramente;

Publicidade

– Nem sempre o casal recebe o mesmo salário. Aquele que ganha mais certamente abraçará mais contas para pagar. E talvez por isso também se ache no direito de comprar aquele produto que há tempos vem desejando. Porém é interessante que o outro sempre saiba no que o parceiro está gastando o dinheiro, evitando discussões;

– É preciso haver um total comprometimento do casal no que diz respeito às finanças da casa. Não adianta um colaborar, esforçando-se para economizar, enquanto o outro é gastador. Muitos casamentos se dissolvem por causa das brigas pelo dinheiro. Claro que uma escapada acontece e dá para ser perdoada. Porém, quando a coisa vira rotina, é preciso tomar uma atitude firme antes que a situação se torne difícil de contornar;

– Gastos extras acontecem e de repente a vida financeira que antes caminhava tão bem sofre um revés. Com esforço de ambos os lados, ela pode ser passageira.

Apertando o cinto, dá para sair do vermelho sem passar muito trabalho. A sugestão é cortar os supérfluos. Adquira um pacote mais acessível de TV a cabo, deixe aquela viagem para mais tarde, economize na luz. Cuide se você não está deixando os ambientes com a luz ligada sem ninguém estar ali. Não compre tantas besteiras no supermercado e não leve o cartão de crédito ao shopping. Há pessoas que quebram seus cartões como última solução para não gastar compulsivamente. Não chegue a este ponto. Guarde-o para usar quando realmente precisar dele ou se as finanças saírem do vermelho.

Não deixe o orçamento de vocês sofrer um rombo. Planejar é o melhor negócio.

Publicidade

Comente